quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Séries que assisto #13

Eu tenho um fraquinho por dramas de televisão passadas durante o secundário. Antes e durante o meu secundário eu era viciada nas séries - Dawson Creek e Popular. Em quase todas as series que eu assisti, o secundário parecia bastante semelhante: todos tinham bom aspecto, os trabalhos escolares estavam para segundo plano, e as relações mais importantes eram as românticas. Hoje em dia, as minhas preferências de TV conseguiram amadurecer um pouco. Mas continuo a gostar do género. E a causa disso mesmo é uma das séries que despertou a minha atenção. Pretty Little Liars encaixa-se perfeitamente no molde de drama adolescente. O que distingue "Rosewood High School" das outras escolas de outras séries serão mesmo as relações de carácter. Ao invés de construir o drama em torno de escolhas previsíveis como: romance e lutas de meninas, Pretty Little Liars é construída em torno de algo que tem sido desvalorizado na televisão: amizades femininas.

Descortinando um pouco a série, Pretty Little Liars é focada em quatro amigas adolescentes - Aria, Hannah, Spencer e Emily - e na forma como elas tentam resolver o mistério de quem matou a sua melhor amiga, Allison, e porquê, que logo após a sua aparente morte, elas começam receber mensagens de texto ameaçadoras e não rastreáveis de alguém que apenas se identifica como "A" - será Allison? "A" sabe coisas sobre cada uma delas que apenas Allison sabia: o pai de Aria teve um caso, Hannah rouba em lojas, Spencer teve um caso com o namorado da sua irmã e Emily é gay. Episódio após episódio, "A" usa esses segredos como chantagem dirigindo as raparigas para um labirinto sem fim de modo a encontrar o suposto assassino de Allison. A esperança de cada uma delas é que encontrar "A" pode significar descobrir o assassino. Durante quatro temporadas e inúmeras pistas, "A" ainda é um mistério as protagonistas têm compartilhado segredos suficientes e momentos angustiantes para uni-las para a vida. Esse vínculo entre as quatro ligações femininas é o núcleo de condução da série.

Estas quatro personagens que compõem as Pequenas Mentirosas não são de forma alguma totalmente originais. Mas, as suas peculiaridades e padrões são mais semelhantes à forma como os adolescentes interagem com os amigos na vida real, do que aquela conversa maliciosa que domina outras séries para adolescentes. Assim como as miúdas na vida real, elas também são vítimas de julgamentos precipitados.
Ao contrário de outras protagonistas de séries do género as conversas das miúdas não giram em torno de rapazes. Claro, elas falam sobre relacionamentos, às vezes, mas não é algo centralizado. Aqui o romance é capturado como sendo terciário. A estrutura da série trata os personagens masculinos com alguma distância. Focando-se acima de tudo na amizade existente entre as quatro protagonistas.  

No mundo de dramas adolescentes da televisão, a amizade destacada em pequenas Mentirosas é lamentavelmente rara. Em outras séries, os amigos do sexo feminino são geralmente arqui - inimigas competitivas. Em Dawson Creek, por exemplo, Joey e Jen toleram-se uma à outra, mas apenas isso. Marissa e Summer em The OC definem a sua amizade na estreia da série, quando Summer deixou Marissa embriagada à sua porta. As arqui inimigas similares - Blaire e Serena de Gossip Girl; e em 90210 entre Brenda e Kelly. A digna menção de destaque são Rayanne e Angela em My so called life - embora já faça 20 anos desde que esta série foi para o ar. 

Pretty Little Liars não é de forma alguma uma série perfeita. Personagens vêm e vão com pouca ou nenhuma explicação e "A" vai brincando com as raparigas tantas vezes que em determinados momentos torna-se difícil manter o carinho. Mas a série preenche um vazio ao retratar a amizade de uma forma que raramente se vê em televisão. A Aria, Hannah, Spencer e Emily são retratadas dentro da dinâmica do seu grupo de amigos, e a enorme popularidade do programa com os telespectadores prova que essa ligação está a fazer algo certo.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...